Duas noites, duas longas festas

O Barreiro Rocks assinala dez anos e a organização aposta forte na celebração, que está marcada para 12 e 13 de Novembro. Strange Boys e King Khan & the Shrines são os cabeças de cartaz

Foto: Los Chicos (2007)

O festival internacional Barreiro Rocks está de volta e em festa. Dez anos depois da primeira edição, então como Pachuco Fest, o festival celebra a primeira década com um alinhamento de respeito, um total de 12 bandas oriundas de cinco países além de Portugal. Os norte-americanos Strange Boys, a 12 de Novembro, e o canadiano radicado em Berlim, King Khan, no dia seguinte, são os cabeças de cartaz e ambos estão de regresso ao nosso país poucos meses depois de terem “incendiado”, respectivamente, os palcos do Music Box, em Lisboa, e do Festival MED, em Loulé.

O alinhamento é ambicioso e integra também grupos ingleses, espanhóis e, imagine-se, de Porto Rico. Mas o objectivo, este ano, explica-nos um dos três responsáveis pela organização, é ter o pavilhão do Grupo Desportivo dos Ferroviários bem composto desde a primeira hora. “Normalmente as bandas que abrem o festival são pouco conhecidas e as pessoas relaxam-se um pouco com os horários. Mas este ano pudemos optar por abrir as noites com nomes que nos permitam ter a casa composta desde o início e penso que o vamos conseguir. O Tiago Guillul, tal como os Tiguana Bibles, tem seguidores. Não tem tocado muito ao vivo e por isso quisemos tê-lo a abrir o festival”, conta ao FrankMarquesBlog Carlos Ramos, 33 anos, director do festival e um dos responsáveis pela Associação Hey Pachuco, a organizadora do evento.

Além do lisboeta Tiago Guillul e dos Tiguana Bibles, de Coimbra, o Barreiro Rocks conta ainda com mais um nome nacional: Nicotine’s Orchestra. Este é, aliás, o único projecto “filho” da anfitriã Hey Pachuco, que também funciona como editora rock. A “orquestra”, liderada curiosamente por Carlos Ramos, actua no segundo dia.

A animação do festival começa com os concertos, diariamente, pelas 22 horas e prolonga-se bem para lá das 4 horas da madrugada. Habitualmente até ao nascer do sol. O norte-americano DJ Shimmy, mestre no encadeamento sonoro de vinis de 45 rotações, é presença obrigatória desde 2005 no Barreiro Rocks e este ano volta a dar música aos festivaleiros após o fecho dos concertos. Os bilhetes de um dia custam 15 euros ou 20 euros, o passe para os dois dias.

Outros artigos sobre o Barreiro Rocks:
Cinco Países em dois dias
Festival em “tour” de norte a sul
Thee Vicars: “Não vai ser fácil tirarem-nos do palco”
Entrevista: Carlos Ramos, Nick Nicotine e Picos num três em um
Dez anos a dar música a Portugal
Los Chicos: “Encanta-nos o contacto com as pessoas”

VoxPop
Testemunhas de… Barreiro Rocks

Fotogaleria
Cinco anos de Associação Hey Pachuco

Apresentação em vídeo
Cartaz garante festa

.

2 respostas a Duas noites, duas longas festas

  1. Dora parreira diz:

    Bem depois de lêr isto, fiquei desejosa de ir ao festival. Pena que no máximo só possa ir um dos dias. Qual recomendas?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s