| METALLICA | Concerto surpresa no Orion Music Fest

Hetfield e Hammet em palco

Hetfield e Hammet em palco

Decorreu a 8 e 9 de junho a segunda edição do festival criado em 2012 pelo quarteto de Los Angeles. Os próprios estavam no cartaz e coube-lhes fechar a maratona de concertos em Detroit. A meio do primeiro dia, porém, os próprios organizadores fizeram questão de promover a primeira atuação ao vivo de um grupo mistério chamado Dehaan. E celebrou-se “Kill ’em all”.

O primeiro a entrar no palco Damage Inc, antes da alegada atuação dos misteriosos Dehaan, às 16h40, foi James Hetfield, o vocalista dos Metallica e um dos mais entusiastas do quarteto na organização do Orion Music Fest. À mesma hora, nos outros palcos (existiam mais 4), atuavam os Drop Kick Murphy’s e os Borgore, e faltava meia hora para começarem os Tomahawk, Dillon Francis e também os Death Grips.

O porta voz dos.. Dehaan

O porta voz dos.. Dehaan

Hetfield, aproveitando a aplicação Instagram, já tinha difundido uma mensagem em que dizia estar “ansioso por ver os Dehaan”: “A minha nova banda favorita”, salientava. Após entrar no palco, como dizíamos atrás, o vocalista e guitarrista dos Metallica perguntou aos presentes se já conheciam os Dehaan. “Eles são de Baltimore e ninguém sabe nada deles a não sermos nós”, atirou. Posto, isto, o baterista Lars Ulrich, o guitarrista Kirk Hammet e o baixista Robert Trujillo entraram no palco e os quatro arrancaram para uma inesperada interpretação ao vivo do álbum de estreia dos Metallica, “Kill’em All”, um disco que celebra três décadas a 25 de julho e que foi tocado de forma integral pela primeira vez em 29 anos.

Excerto promocional da atuação dos Dehaan

Trujillo teve a responsabilidade de assumir o solo de baixo do malogrado Cliff Burton. “Foi a primeira vez que ‘Pulling Teeth (Anesthesia)’ foi interpretado desde 26 de setembro de 1986, em estocolmo, na Suécia. O Robert tocou o clássico solo do Cliff com Ray, o pai de Cliff, a assistir”, lê-se nas notas sobre a atuação publicadas no site oficial dos Metallica.

À medida que o concerto avançou e o público presente no Orion Music Fest se apercebeu do que se passava no palco Damage Inc. foi uma correria desenfreada pela área do festival – todos rumo ao concerto destes surpreendentes Dehaan. Desconhece-se a reação das outras bandas que terão sido afetadas pela atuação dissimulada dos organizadores do evento que apenas estavam marcados para tocar no domingo, a encerrar o festival, sem mais nenhum concerto em andamento.

Álbum de estreia faz 30 anos

Álbum de estreia faz 30 anos

Perto do fim da atuação, James Hetfield afirmou: “Esta vai ser a última [música] dos Dehaan. Agradecemos o vosso apoio e esperamos voltar a ver-vos algures”. E o quarteto disparou “Metal Militia”, “tocada ao vivo apenas por nove vezes desde 1985”, especificaram os Metallica através das referidas notas. Antes de abandonar o palco, o vocalista deixou ainda a dica de que a carreira dos Dehaan poderá, afinal, não ter acabado: “Obrigado, Orion, por nos aturarem. A nós e a todas as nossas suspresas. A seguir… ‘Reload’ [o álbum de 1997]”.

Um último apontamento para explicar que o nome Dehaan é inspirado no ator Dane DeHaan, que é a estrela principal de “Metallica Trhough the Never”, filme promovido pelo grupo que com estreia marcada para 9 de agosto nos Estados Unidos.

O dia prosseguiria com a normalidade esperada. Alguns outros concertos deixaram marca positiva neste primeiro dia do Orion Music Fest como o dos Foals (que passam por Portugal em outubro) ou dos Tomahawk, de Mike Patton (que passam pelo Super Rock, em Sesimbra), até ao encerramento com mais uma atuação típica dos Red Hot Chilly Peppers, que rondou as duas horas de duração.

Ao longo do festival e para lá deste concerto surpresa, os quatro “cavaleiros” dos Mettalica foram-se desdobrando por todo o evento, ora surgindo nos diversos palcos a apresentar as bandas que atuavam, ora a promover as várias iniciativas paralelas à música proporcionadas pelo festival nascido há um ano em Atlantic City e, entretanto, transferido para Detroit. Está por saber se este será um evento que irá evoluir näà imagem do itinerante Lollapalooza, promovido por Perry Farrel, dos Jane’s Addiction, que este ano levou o certame até à América do Sul. Era bonito ver este Orion Music Fest chegar à Europa.

No segundo dia, concertos explosivos dos Dirtbombs, dos Gogol Bordello e dos Deftones mantiveram a fasquia bem alta. E o encerramento ao jeito de “best of” pelos Metallica revelou-se a chamada “chave de ouro”, com o grupo a apresentar raridades ao vivo como “Disposable heroes” ou “I disapear”, além de uma homenagem sentida por toda a “família” Metallica a Cliff Burton após o icónico instrumental “Orion”, coescrito pelo baixista, que morreu num acidente de viação na Suécia, em setembro de 1986, quando o grupo andava em digressão pela Escandinávia. O Orion Music Fest parece estar para durar e a segunda edição provou que pode haver mais na carreira de um músico do que dar concertos em nome próprio.

Concerto completo dos Dehaan partido em 3
PART I

1. Hit the Lights
2. The Four Horsemen
3. Motorbreath
4. Jump in the Fire
5. Pulling Teeth (Anesthesia)

PART II

6. Whiplash
7. Phantom Lord
8. No Remorse

PART III

9. Seek & Destroy
10. Metal Militia

Esta entrada foi publicada em Música com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s