| BARREIRO ROCKS ’11 | A primeira noite fica para a História

Barreiro Rocks 2011 - Velhos são os trapos

O arranque da 11.ª edição do melhor festival de Garage Rock da Península Ibérica prometia. E cumpriu. Nomes míticos tinham presença garantida no Barreiro. Não defraudaram. A lotação não esgotou como em 2010, mas fez-se História. Este é o primeiro “report” de um evento como não há outro em todo “o” Portugal.

Página 2: Dex Romweber Duo, Pierced Arrows e Tracy Lee Summer

Dia 1
Fotogaleria
Dia 2
Reportagem
Fotogaleria

Barreiro Rocks (2000-2011)

O cartaz apontava o início para as 22h. Chegámos 20 minutos depois ao pavilhão dos Ferroviários, mas bem a tempo, afinal, do arranque dos concertos. Ainda com pouca gente no pavilhão e com o Benfica a perder na televisão com o Marítimo, para a Taça de Portugal (e foi mesmo eliminado), as lisboetas Pega Monstro deram início ao Barreiro Rocks por volta das 22h30, apresentadas pelo já incontornável Crooner Vieira. Este ano promovido a “caçador” de talentos.

Julia (topo) e Maria Reis, as manas Pega Monstro

O som estava ao ponto e as manas Reis, Maria e Júlia, lucraram com isso. Depois de as termos visto ao vivo há coisa de seis meses, no Bairro Alto, em Lisboa, notámos melhorias na dupla. Temas rápidos, rock lo-fi, letras simples em português, quase ingénuas, e um concerto despachado em pouco mais de 30 minutos a que só acrescentaríamos, se estivesse ao nosso alcance, o som de um baixo ou notas mais graves para contrabalançar com as estridentes guitarradas destas estreantes pelo palco do festival da Hey Pachuco!

.

.

.

O Fabuloso quarteto Combo Espectro

Mais uma introdução de variedades pelo “caçador” Crooner Vieira e cerca das 23h30 entram em cena os espanhóis Fabuloso Combo Espectro. Com um álbum novo para mostrar e dois EP disponíveis gratuitamente pela Internet, os madrilenos que há um ano participaram nas festas de apresentação do festival apresentaram-se em boa forma. Com um som bem definido, um baixo distinto e uma baterista intensa, Sara, o Combo mostrou boas melodias, cativou o público e apenas se estranhou a pouca mobilidade do vocalista principal, Raul, que parecia um pouco alheado fisicamente do tom de festa que os espanhóis deram ao festival barreirense.

Página 2: Dex Romweber Duo, Pierced Arrows e Tracy Lee Summer

Esta entrada foi publicada em Concertos: Reportagem, Música com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s